América do Sul | Chile

Roteiro: 4 dias no Chile na primavera

2 de maio de 2019

Um dos queridinhos dos brasileiros, o Chile é um ótimo destino para casais, amigos e até para viajar sozinho. Confira dicas para aproveitar 4 dias em Santiago do Chile e arredores.

Santiago do Chile / Foto: Aline Sanae

Aqui no site já temos uma matéria de 5 dias no Chile escrita pela Priscila, mas recentemente também fui para lá e fiz um roteiro um pouco diferente do dela, então aqui vai um roteirinho fresco para quem quer mais opções de passeios, você pode juntar os dois e criar o seu com o melhor de cada um, olha que boa ideia 🙂

Aqui o roteiro da Pri ⇓⇓⇓⇓⇓

Roteiro: 5 dias no Chile

Agora vamos às novas dicas! Escolhemos um feriado prolongado de novembro e pegamos + 1 dia de folga para dar tempo de aproveitarmos mais o Chile. Ou seja, ao todo foram 5 dias, só que 1 foi só de deslocamento, praticamente.

Quando ir?

Escolher o período certo para conhecer o Chile é um grande desafio, primeiro porque não é sempre que conseguimos escolher os meses de férias ou folgas. Segundo, porque cada época, pode-se fazer passeios específicos. Caso você consiga escolher qual período ir, opte para o período mais adequado aos passeios que quer fazer. Por exemplo: inverno você pode ir esquiar, mas terá que deixar de lado o litoral e o Cajon del Maipo. E no verão, você troca o esqui pelo litoral e Cajon.

Como devo me preparar para a viagem?

Já fiz algumas matérias para ajudar a organizar as viagens, você pode encontrar clicando aqui ou ali no menu, clicando em DICAS. Mas para a viagem ao Chile, eu listei algumas coisas bem importantes de verificar antes da viagem:

1 – Documentos: o RG com menos de 10 anos já é o bastante, mas caso queira usar seu passaporte, pode também.
2 – Seguro viagem: é um item obrigatório para quem vai viajar para fora do país. 
3 – Chip para Celular: deixe para comprar um pré-pago lá, que vale muito mais a pena do ativar romming.
4 – Hospedagem: escolha de preferência perto do centro e estações de metrô, assim não precisa usar muitos ubers.
5 – Dinheiro: a melhor forma de economizar no Chile é levar dinheiro em espécie, mas tenha sempre um cartão de crédito habilitado para compras no exterior, pois muitas vezes compensa (no caso de perfumes e roupas de marcas, mesmo com o IOF, saem mais em conta do que no Brasil).
6 – Contrate um transfer para levar e buscar no aeroporto. Contratei a Transfer Brasil e eles nos deram 1 chip para cada passageiro com internet, foi ótimo. Lá Uber é bem complicado para aeroporto e os táxis da cidade tem uma má fama, mas para o restante é bem tranquilo.
7 – Leve remédios para enjoos na bolsa: alguns passeios como Cajon e Vale Nevado, possuem muitas curvas.

Já está com toda a viagem preparada? Só nos resta ir ao roteirinho:

Dia 1 – Centro de Santiago do Chile

Centro de Santiago / Foto: Aline Sanae

No primeiro dia, aproveitamos para acordar cedo e ir trocar os reais para pesos chilenos. Como tínhamos apenas 4 dias para passear, tentamos conhecer o máximo de coisas em Santiago nesse primeiro dia, então fizemos um roteiro a pé pelos principais pontos turísticos:

Paseo Ahumanada: pegamos um Uber e descemos na Ahumanada, que fica no centro de Santiago, de lá fizemos tudo a pé. Você vai encontrar comércio com preços muito bons e casas de câmbio aos montes. Na rua Agustinas, você vai encontrar as com melhor cotação em uma única quadra. Não deixe de visitar a Calle Bandera, é bem bonita e divertida para tirar umas fotos!

Calle Bandera / Foto: Aline Sanae

Museu Pré-Colombiano: para quem gosta de História é um museu muito interessante. Custa cerca de R$32 por pessoa. Conta com peças sobre os povos que viveram no país antes da colonização, painéis, ferramentas, múmias, roupas, etc.

Museu Pré Colombiano em Santiago do Chile / Foto: Aline Sanae

Palácio de La Moneda, Plaza de Las Armas e Catedral Metropolitana: acabamos não entrando no Palácio de La Moneda, mas a visitação é gratuita até as 12h. Na frente dele, há a troca da guarda, parece que geralmente é na Plaza de Las Armas, mas estava em reforma durante minha viagem. Lembre-se de verificar se é nos dias pares ou ímpares, pois muda todos os meses.

Palácio de la Moneda / Foto: Aline Sanae

A Catedral Metropolitana é linda, gigantesca e com uma paz enorme, vale a pena entrar, mesmo quem não é religioso.

Catedral Metropollitana em Santiago do Chile / Foto: Aline Sanae

Mercado Central: o Mercado Central é bem parecido com os do Brasil, cheio, com cheiro forte de peixe e muitos ambulantes. Os restaurantes caríssimos, eu já havia almoçado quando passei por lá, mas sinceramente, acho que não conseguiria almoçar por ali, o cheiro é muito ruim.

Funicular/ Cerro San Cristóbal: fechamos o dia com um belo pôr do sol no Cerro San Cristóbal, subimos de funicular, que é uma espécie de trenzinho que sobe até o mirante. Dá pra ver toda a cidade e parte das cordilheiras, realmente é muito bonito! Mas dá para subir a pé por meio de trilha, de teleférico e também de carro.

Funicular do Cerro San Cristobal / Foto: Aline Sanae

Preferimos subir de funicular e não nos arrependemos, custou cerca de R$22 por pessoa, ida e volta. Lá em cima do Cerro tem uma lanchonete que vende o famoso Mote com Huesillos, que aliás, é muito bom. Uma boa dica é aproveitar que já estará na região e jantar no BellaVista ou terminar o dia em um dos bares da Lastarría, porém estávamos muito cansados e resolvemos descansar para o passeio do dia seguinte.

Cerro San Cristobal / Foto: Aline Sanae

Dia 2 – Cajon del Maipo

Cajon del Maipo / Foto: Aline Sanae

O Cajon é um dos lugares mais lindos que já visitei! Sem sombra de dúvidas, de tirar o fôlego, trata-se de uma área represada artificialmente, porém vale MUITO a visita. Esse passeio é recomendado apenas no verão e primavera e precisa ser feito com uma agência de viagens, pelo menos na minha opinião. Primeiro porque alugar um carro fora do Brasil não é uma coisa que eu recomendo, segundo porque as estradas da região são bem complicadas, mesmo sem neve e é melhor confiar em um motorista já acostumado com o caminho.

Queijos e vinhos do piquenique / Foto: Aline Sanae

Dito isso, eu contratei a agência da Laíse, que é uma Youtuber muito divertida lá de Santiago (clica aqui para acessar o Youtube dela), os passeios da agência dela tem mais paradas que as que eu pesquisei e o preço é um pouco melhor também, super recomendo (sem publi post, sério, rs). O passeio custou cerca de R$140 por pessoa, sendo que eles te buscam/levam no Airbnb ou no hotel e ainda tem um piquenique incluso (queijos e vinhos).

Na ida, a van para em um lugar para você tomar café e alugar roupas/botas. Na volta faz quatro paradas, primeiro em um lugar para fazer o piquenique que tem uma cachoeira muito bonita para tirar fotos, depois em um mirante muito lindo!

Mirante em Cajon del Maipo / Foto: Aline Sanae

A terceira parada é na vila de San José del Maipo, lá você vai encontrar uma pracinha com lanchonetes, mercadinhos e banquinhas para comer alguma coisinha, se o piquenique não for o suficiente, pois não tem parada para almoço. Como eu já havia lido que não teria paradas para almoço, eu levei na minha mochila uns lanchinhos que super salvaram o dia, rs. Ah, e a última parada é em uma lanchonete temática, muito bonitinha, mas acabei nem consumindo nada por lá.

Dia 3 – Museu de História Natural e Valle Nevado

Museu de História Natural / Foto: Aline Sanae

No terceiro dia, acordamos bem cedo e fomos passear por Santiago, a primeira parada foi no Museu de História Natural, que eu estava doida para conhecer. Sabe aquele filme “Uma noite no museu”? Então, é tipo isso! Lá você vai encontrar itens sobre os povos indígenas do Chile, Ilha de Páscoa, animais empalhados da região e até esqueletos de dinossauros, tudo isso com entrada gratuita. Bem do lado deste museu, tem o Museu dos Direitos Humanos, mas como nosso tempo estava apertado, deixamos para a próxima. Corremos para o apartamento e nos arrumamos para o próximo passeio.

Valle Nevado na Primavera / Foto: Aline Sanae

Em novembro geralmente não há neve no Valle Nevado, o termômetro estava nos 33/35 graus, porém na semana que fomos para lá, estava com nevasca, mas no dia que fechamos o passeio para o Valle, já havia derretido toda a neve. Então, ficamos super decepcionados, foi aí que a agência sugeriu de mudarmos nosso passeio para Sunset no Valle Nevado, já que não teria neve mesmo. E topamos, claro!

Valle Nevado / Foto: Aline Sanae

A van da Laíse passou para nos buscar lá pelas 16h para subirmos o Valle. O grupo era para ser grande, mas metade acabou não aparecendo, subimos em 4 pessoas apenas, o passeio custou cerca de R$140 por pessoa (somei com o valor do aluguel de bota). A subida foi tensa, muitas curvas, eu nunca agradeci tanto por ter tomado um remédio para enjoo, rsrs. Chegando lá, um visual maravilhoso e nadica de neve para pisar, hahaha. Não estávamos com muita sorte, tiramos algumas fotos com uma vista bonita do Valle, mas depois de uns 30 minutos, o tempo fechou e o sunset foi para o espaço, infelizmente. Se valeu a pena? Sim, valeu! Mas, claro que preferíamos ter visto neve.

Dia 4 – Vinícola e Sky Costanera

Vinícola Undurraga / Foto: Aline Sanae

A escolha da Vinícola é muito particular, a maioria das pessoas costuma ir para a Concha y Toro, pois é a mais conhecida. Eu queria ter ido na Santa Rita, mas a agência não conseguiu fechar uma turma para lá e acabei indo para a Vinícola Undurraga, que era a minha segunda opção. Não me arrependi, a vista é incrível! Somos recebidos por uma guia que vai percorrendo as parreiras, explicando os processos de plantação, armazenamento, fabricação e conservação do vinho. 

Vinícola Undurraga / Foto: Aline Sanae

Durante o tour na Undurraga, há visitação a um museu em homenagem ao povo Mapuche, primitivos da região de Santiago. E ao fim, há a degustação de 5 tipos de vinhos e você leva uma taça de presente.

Restaurante Ocean Pacific / Foto: Aline Sanae

Saímos de lá mais ou menos no horário do almoço e pedimos para o motorista da agência nos deixar no Ocean Pacific, um restaurante muito conhecido pelos turistas, que é como se fosse um grande navio, há várias salas diferentes e é incrível para tirar fotos. Já para comer, o preço é bem salgado, rs.

Ocean Pacific / Foto: Aline Sanae

Voltamos para o apartamento, descansamos um pouco e fomos até o Sky Costanera ver o pôr do sol. Uma coisa muito boa da primavera no Chile, é que anoitece lá pelas 20h, então o dia rende bastante.

Sky Costanera / Foto: Aline Sanae

O Sky Costanera é o mirante mais alto da América Latina com seus 62 andares e visão 360º, resulta em fotos incríveis, são 2 andares que você pode visitar, o último é aberto, então leve uma blusinha, mesmo em dias quentes.

Vista do Sky Costanera / Foto: Aline Sanae

Se tiver tempo, aproveite para dar uma volta no Center Costanera, jantar no Hard Rock Café ou até dar uma voltinha no mercado para comprar chocolates e vinhos, os preços são muito bons nesse mercado que tem dentro do shopping!

Como falei no começo, é preciso ter em mente que seu roteiro e época do ano para a viagem vão interferir diretamente na quantidade de dias e dinheiro para levar na sua viagem. Se precisar de dicas de onde ficar ou de quanto levar, mande para nós uma mensagem 🙂

Only registered users can comment.

    1. Oi, Andre. Acredito que até novembro eles liberem. Geralmente eles fecham no inverno porque quando neva muito a estrada fica perigosa. Mas tem sempre a opção de Portilho. Recomendo a Laise Mesquita, procura ela no Youtube, ela oferece esse passeio. 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *